Que tal ir pro Japão sem sair de São Paulo? Conheça 4 passeios incríveis em templos e exposições

 Que tal ir pro Japão sem sair de São Paulo? Conheça 4 passeios incríveis em templos e exposições

O Japão é local muito procurado, e se você é daqueles que adora se sentir em terras orientais, mas que no momento não pode ir muito longe daqui, estamos aqui para lhe ajudar a fazer um emocionante passeio com a família. Então, pode ir anotando essas dicas super legais de passeios, que vão fazer você se sentir um gostinho asiático, mas sem sair de São Paulo.


Torre Miroku

A cidade de Ribeirão Pires, região metropolitana de São Paulo, abriga uma interessante atração turística: a Torre de Miroku. Localizado às margens da Represa Billings. A construção levou mais de 12 anos para ficar pronta. Para se ter uma ideia, foram utilizados 400 toneladas de materiais oriundos de madeiras, bem como, angelim pedra, jatobá e eucalipto. No interior da Torre de Miroku, há uma escultura de 8 metros, que pesa 4 toneladas. Demorou 3 anos para ficar pronta e foi feita em blocos de madeira (embuia) e folheada a ouro 24 quilates.

A obra simboliza Kannon, uma divindade tanto masculina quanto feminina que é reverenciada desde os mais remotos tempos, especialmente no Oriente. Aliás, a escultura foi feita por Cicero D’Ávila, renomado escultor brasileiro que tem obras, projetos, bustos e monumentos em vários países.

Ainda na parte interna do templo, existem 18 esculturas de 80 centímetros de Kannon. No alto da Torre há, também, uma antena com uma urna que possui um pouco do cabelo do Mestre Meishu-Shama. Já os vitrais do templo, por sua vez, foram criados com cristais de Murano e demoraram 5 meses para ficarem prontos. Ou seja, por aí já dá para imaginar o nível de detalhes.

Endereço: Av. Palmira, 450 – Represa em Ribeirão Pires – SP.

Em virtude de o acesso ao Complexo Torre de Miroku ser exclusivo pela Represa Billings, é necessário realizar um traslado com o barco Koryu, com duração aproximada de 10 minutos. Não há cobrança de ingresso ao Complexo Torre de Miroku além do valor do traslado. Não são permitidas visitas avulsas em horários ou embarcações diferentes dos estipulados no site da Tama Turismo. Para consultar horários e disponibilidade, por favor, acesse esse link.


Templo Zu Lai

O Templo Zu Lai é um templo budista localizado em Cotia, na região metropolitana de São Paulo, Brasil. Ele foi inaugurado em 1992 e é considerado o maior templo budista da América Latina. O templo é uma filial do Templo Fo Guang Shan, uma das maiores ordens budistas do mundo, com sede em Taiwan.

O Templo Zu Lai é conhecido por sua arquitetura imponente, jardins tranquilos e por promover a cultura e a filosofia budista na região. Ele é aberto ao público, e os visitantes podem explorar o templo, participar de cerimônias e eventos culturais, além de conhecer mais sobre os ensinamentos budistas.

Ao visitar o Templo Zu Lai, os turistas podem participar de diversas atividades e serviços oferecidos no local. O templo possui um amplo salão principal, onde são realizadas cerimônias religiosas, meditações em grupo e palestras sobre a filosofia budista. Os visitantes também podem explorar os jardins e desfrutar de momentos de contemplação e tranquilidade.

Além disso, o templo conta com uma livraria, onde é possível adquirir livros e materiais sobre o budismo e a filosofia do orientel. Há também uma cafeteria, onde os visitantes podem se deliciar com chás, sucos naturais e lanches leves.

Endereço: Estrada Fernando Nobre, 1461 – Parque Rincão em Cotia – SP.

Horário de atendimento: De terça-feira a sexta-feira das 12h às 17h – Sábados, domingos e feriados das 9h30 às 17h – Segunda-feira: Fechado (mesmo se feriado). Entrada e estacionamento são gratuitos.


Kinkaku-ji do Brasil

O Kinkaku-ji do Brasil é uma réplica do Templo Kinkaku-ji da cidade de Quioto no Japão, construído no município de Itapecerica da Serra.

Diferentemente do seu modelo japonês, o Kinkaku-ji do Brasil é um Templo Ecumênico e um cinerário, ao passo que o Kinkaku-ji japonês é um templo de orientação zen-budista. O Templo Kinkaku-ji é a única réplica do Templo Dourado de Kyoto no Japão. Nasceu de um empreendimento privado, foi inaugurado em 1976.

É o local perfeito para quem busca tranquilidade e contato com a natureza. Há muitas plantas, pedras e fontes de água natural pelos caminhos do parque, o que transforma o Kinkaku-ji em um objeto de workshops fotográficos, mas que não chegam a perturbar o clima tranquilo e sossegado que convida o visitante à meditação típica do oriente, à reflexão, a um descanso espiritual.

O caminho turístico que leva o visitante até o templo é íngreme e em degraus, com alguns assentos para descanso em pontos estratégicos. No fim da escadaria encontra-se um lago povoado por tartarugas e carpas coloridas (Nishikigois) que podem ser alimentadas com a ração vendida no local.

Em meio a um belo jardim japonês encontra-se um riacho que se forma a partir da nascente, proporcionando tranquilidade para a prática de meditação. No interior do templo, além dos columbários, somando mais de cinco mil nichos permanentes, há salas onde se realizam cerimônias ecumênicas como missas, batismos e casamentos.

Endereço: Rua Camarão, 220 – Chácara das Palmeiras em Itapecerica da Serra – SP.

Horário de Funcionamento: Quarta-feira à Domingo das 9h às 16h.


E para quem não consegue ir muito longe, não vamos te deixar na mão, e aí vai uma dica bônus:

Pavilhão Japonês

Por incrível que pareça, dentro do Parque do Ibirapuera é possível se transportar para o Japão. Por lá, bem escondidinho, está o Pavilhão Japonês.

Ele foi construído em 1954, em comemoração ao quarto centenário da cidade de São Paulo, e é uma réplica do Palácio Katsura, localizado em Kyoto, Japão. O Pavilhão é composto de um edifício principal suspenso, que se articula em um salão nobre e diversas salas anexas, um salão de exposição, sala para cerimônia de chá, um jardim e um lago de carpas.

Esse é um dos poucos monumentos do Ibirapuera não assinado por Oscar Niemeyer. O projeto é do professor Sutemi Horiguchi (da Universidade Meiji) e tem como principal característica o emprego dos materiais e técnicas tradicionais japonesas, tendo como referência o Palácio Katsura, antiga residência de verão do Imperador em Kyoto. No interior, há uma composição de módulos de madeira com divisórias deslizantes marcadas pela presença do tokonoma – área destinada à exposição de pinturas, arranjos florais, cerâmica, etc.

No Salão de Exposição há peças originais e réplicas doadas pelo governo do Japão, pessoas, empresas e entidades. A mostra tem mais de 80 itens, dentre eles, obras que representam diversos movimentos artísticos do Japão, artefatos religiosos, objetos das artes marciais e do cotidiano japonês. Um dos grandes destaques são os dois conjuntos originais de armaduras e elmos de samurais, datadas de 1530.

O jardim conta com algumas espécies de sakura (cerejeira), árvore japonesa sua floração no Brasil na época de julho. Além disso, possui algumas outras espécies asiáticas, como as árvores de ginkgo biloba e momiji.

Endereço: Parque do Ibirapuera – portão 10.

Av. Pedro Álvares Cabral, s/nº – São Paulo – SP (a cerca de 5 quilômetros do Metrô Santa Cruz).

Contribuição adulto: R$ 15,00.
Estudante com carteirinha: R$ 7,00.
Idosos a partir de 60 anos: R$ 7,00 (Lei 10.741/2003 – Estatuto do Idoso)
Crianças de 5 a 12 anos: R$ 7,00.
Crianças até 4 anos: isento.

Funcionamento: Quinta-Feira, Sexta-Feira, Sábado, Domingo e Feriados. Horário: das 10h às 17h.


Quer saber mais na palma da sua mão?

Faça parte do nosso grupo de WhatsApp e receba boletins diários com tudo para as crianças em São Paulo. Clique aqui e participe!