Caso Henry: ONG fala sobre como reconhecer e denunciar casos de violência

 Caso Henry: ONG fala sobre como reconhecer e denunciar casos de violência

Recentemente um caso chocou a todos ao redor do Brasil, o menino Henry Borel, de 4 anos de idade, faleceu após ser agredido de forma violenta. Os principais suspeitos, a mãe e o padrasto do garoto, estão presos por homicídio duplamente qualificado e tortura. Apesar das horríveis constatações feitas durante as investigações, a situação despertou a dúvida em diversos pais e mães sobre como reconhecer e denunciar casos de violência como este.

A ONG Ficar de Bem, uma entidade não governamental que atua no auxílio a crianças em situação de violência doméstica ou abuso, aborda alguns pontos importantes, para que se possa tomar medidas ideais e corretas, garantindo o bem-estar e a vida dos pequenos. A organização também aponta a importância de confiar nas crianças, que na maioria dos casos são desacreditadas quando denunciam suas situações.

violência doméstica infantil no vipzinho

Há um documento chamado de  Manual de Atendimento às Crianças e Adolescentes Vítimas de Violência, criado principalmente para profissionais que estão em contato frequente com crianças, ensinando a reconhecer e apontar situações de perigo. O documento também pode ser utilizado por pais, parentes e qualquer outra pessoa de interesse.

Segundo o manual, há diversas formas de violência, como doméstica ou intrafamiliar, extrafamiliar e autoagressão (essa última inclui colocar-se em atividades de risco, formas de se autolesionar e suicídio). No caso da doméstica, como ocorrido com Henry, pensamos logo no abuso físico, na agressão que pais podem infligir as crianças, porém esta pode ocorrer de forma física, psicológica, sexual ou até mesmo se manifestar por negligência.

Pediatras apontam que as lesões físicas costumam ser os fatores mais fáceis de identificar, mas que estas podem acontecer em locais escondidos, propositalmente, para impedir que se descubra o fato. Assim, é preciso que toda avaliação seja minuciosa. Como os médicos, os educadores são outro tipo de profissional que costuma captar esse tipo de situação.

violência doméstica infantil no vipzinho

Em casos de ação psicológica, as crianças tendem a ter sonolência ou irritabilidade em níveis mais elevados, crises de ansiedade, comportamento obsessivo e desenvolvimento de tiques e manias. Mudanças repentinas de humor e disposição costumam ser bem comuns. Se recusar a ir para casa, ou retornar a locais específicos, dizer que não gosta de alguém ou mudanças de expressão quando se cita o indivíduo, são fortes indícios de que há algo errado.

Para fazer a denúncia é necessário entrar em contato com o conselho tutelar de seu município, mas não há obrigatoriedade em se identificar. A notificação pode ser feita pessoalmente, por telefone ou por escrito. O Disque 100 também é uma forma rápida de auxiliar na situação. Para realizar a denúncia existem alguns ponto principais que devem ser citados, são eles:

  • Quem sofre a violência? (Vítima)
  • Qual tipo de violência? (Violência física, psicológica, sexual, negligência ou abandono, etc.)
  • Quem pratica a violência? (Suspeito)
  • Como chegar ou localizar a Vítima e/ou Suspeito
  • Endereço (Estado, Município, Zona, Rua, Quadra, Bairro, Número da casa e ao menos um ponto de Referência, concreto e que define um lugar específico)

violência doméstica infantil no vipzinho

Sabendo bem a necessidade de proteger e cuidar das crianças, o Vipzinho apoia a ONG Ficar de Bem em seu trabalho, e convida você a se juntar a nós. No site da organização, ou através do WhatsApp, clicando no botão acima, você pode colaborar com uma doação, auxiliando que todo o apoio e suporte às crianças consiga continuar e colher ainda mais histórias de superação e conquistas, pelo bem das crianças.


Quer saber mais na palma da sua mão?

Faça parte do nosso grupo de WhatsApp e receba boletins diários com tudo para as crianças no ABC paulista. Clique aqui e participe!

Anúncio:
Tendall Grill - Rudge Ramos