Após polêmicas, filme com Anne Hathalway abre debate sobre influência de filmes para crianças

 Após polêmicas, filme com Anne Hathalway abre debate sobre influência de filmes para crianças

Lançado direto para streamings, o remake de Convenção das Bruxas, um clássico dos anos 90, estreou já trazendo polêmicas. A produção dirigida por Robert Zemeckis e protagonizada por  Anne Hathaway, Octavia Spencer e Chris Rock, foi alvo de inúmeras críticas, tanto de famosos quanto anônimos, por conta de sua caracterização da Grande Bruxa-Mor, interpretada por Hathaway. 

O filme apresenta a personagem em sua forma original, como tendo suas mãos formadas por apenas alguns dedos, o que caracteriza a Ectrodactilia, disfunção que afeta crianças em todo o mundo. Após assistir o filme, a nadadora inglesa paraolímpica, Amy Marren declarou não ter gostado e até se decepcionado com a produção da Warner Bros. pela escolha da caracterização. A atleta afirma que tem medo de as crianças assistirem ao filme e passarem a ter medo de pessoas com menos membros, visto que bruxas são vistas também como monstros e essa associação pode ser muito prejudicial. 

convenção das bruxas no vipzinho

Após uma série de compartilhamentos das postagens de Marren, diversas pessoas com Ectrodactilia iniciaram seus depoimentos sobre o assunto, gerando respostas e pedidos de desculpas, tanto da produtora, quanto dos atores e diretor envolvidos. Passado esse primeiro momento é possível perceber que um ponto ainda paira no ar, até onde os filmes, desenhos e séries podem influenciar as crianças?

Segundo psicólogos que atuam com o publico infantil, os filmes transmitem muitas informações para os pequenos, tanto de forma mais explícita, como de forma implícita, é através dos conteúdos que a criança recebe que ela passa a identificar comportamentos e padrões no mundo em que vive. Ela pode entender, por exemplo, que o bem vence o mal, ou que pessoas boas são aquelas que ajudam outras pessoas.

assistindo filme em família no vipzinho

Apesar de as crianças menores terem mais dificuldade de distinguir a realidade da ficção, é sabido hoje que muitos pequenos tem sido expostos a conteúdos para maiores de suas idades, o que de certa forma acaba acelerando o processo de entendimento de assuntos que antes seriam tratados apenas mais a frente. Na realidade, tanto crianças como adultos, apesar de diferenças nas associações, tem dificuldade em avaliar de modo crítico o conteúdo que recebe, tendo ambos a tendência de internalizar crenças midiáticas.

Os especialistas citam também a facilidade que as crianças tem de reproduzir comportamentos vistos em filmes e desenhos, principalmente com personagens que demonstram ser interessantes, confiantes e bem-sucedidos. Neste ponto, cabe aos pais trabalhar com os pequenos as intenções e moral do filme, estimulando a empatia. 

assistindo filme em família no vipzinho

Se tratando de apenas um único filme, como o Convenção das Bruxas, é difícil que sozinho ele cause todo o impacto que se imagina, sendo mais comum um efeito acumulativo de variadas fontes de conteúdo. No geral é tido que os filmes têm o potencial para moldar as crenças das crianças no que se refere aos padrões de beleza, papéis de gênero, violência e sucesso, sendo então um caminho aberto tanto para influências positivas e negativas, mas que com acompanhamento dos pais, ou até principalmente de psicólogos em muitos casos, podem ser trabalhados e modificados.


Quer saber mais na palma da sua mão?

Faça parte do nosso grupo de WhatsApp e receba boletins diários com tudo para as crianças no ABC paulista. Clique aqui e participe!